Flavio Paiva

Deu vontade de colocar a pedra-de-peixe no aquário. Curiosidade ornamental. Fotografei. Da imagem do fóssil caririense foram surgindo representações zodiacais e divinais pelos vestígios arquetípicos do meu infinito interior, como um sýmbolon religando sensibilidades ubíquas e atemporais: um mesmo peixe dividido em duas bandas passíveis de se complementarem exatamente. Assim, de um lado vivendo e de outro gerindo a vida, vou me reconhecendo entre o que penso e o que faço, entre o que sou e o que compartilho nesse incitante processo não-linear e sem finalização que é a vida. Eis a minha senha. Pode entrar.

 
 
 

Agenda

Sem agenda pública no momento.
Ver Mais

Provocações de Parsifal Barroso (Jornal O POVO, Vida & Arte, 09/08/2017

Provocações de Parsifal Barroso
Artigo publicado no Jornal O POVO, Caderno Vida & Arte, pág.4
Quarta-feira, 09 de agosto de 2017 - Fortaleza, Ceará, Brasil

Artigo em PDF

FAC-SÍMILE

op_provocacoes-de-parsifal-barroso

O professor Parsifal Barroso (1913 – 1986) foi governador do Ceará de 1959 a 1963, em gestão marcada por acusações de inércia num tempo de muita bala no campo da política. Para completar o quadro de tensões no seu mandato, a figura de Parsifal afrontava os coronéis cearenses, por ele ter sido ministro de Juscelino Kubitscheck e, com a renúncia de Jânio Quadros, em 1961, ter apoiado a posse de João Goulart na Presidência da República.

A polêmica administração de Parsifal Barroso pode até ter rendido um governo de poucas realizações, mas reforçou no professor de química, história natural, filosofia e economia do Liceu e da UFC a convicção de que o desenvolvimento do Estado só será efetivo quando seus dirigentes mudarem a mentalidade dominante que não sabe como explorar os diferenciais comparativos locais, sobretudo uma cultura riquíssima em combinações étnicas.

O destino geoeconômico do Ceará, segundo ele, foi muito prejudicado com o abandono da conexão com o Meio Norte para a longa gravitação em torno de Pernambuco, e pela diretriz histórica voltada à preservação da versão portuguesa de marco colonial, em detrimento de eventos como a povoação da área que se estende do Porto de Camocim à Ibiapaba.

Entrevistei o professor Parsifal Barroso no apartamento em que ele morava, na Praia do Futuro, para a edição de março/abril/1985, da revista da Campanha Nacional de Escolas da Comunidade. Ele era o governador quando da instalação da CNEC no estado, em 1960, e havia ministrado a aula inaugural da Campanha no Ceará. Mostrava-se apaixonado pela alternativa das escolas nascidas e mantidas por articulação local.

Motivado pela conferência “Precisa-se do Ceará”, ministrada por Gilberto Freyre no Theatro José de Alencar, em 1944, Parsifal escreveu o ensaio “O Cearense” (Record, RJ, 1969), no qual expõe algumas teses sobre o ethos cearense, critica omissões e distorções historiográficas e cobra o aprofundamento do conhecimento do que somos, como forma de aproveitamento pleno das nossas potencialidades.

Ressalvando a ação dos Bandeirantes, o pensador pernambucano afirmou na ocasião que, ao se espalhar por todo o país, o cearense, com seu ativismo andejo, foi quem mais cumpriu o destino de unificação do Brasil. Essa história de povo transregional, refletida por Parsifal Barroso, chega novamente ao público com a segunda edição do livro “O Cearense” (Escrituras, SP, 2017), lançada ontem (8/8) na Assembleia Legislativa do Ceará.

O autor realça uma rica paisagem cultural de tendência libertária como produto original da cearensidade. Foi a gama de tribos tapuias que se refugiaram no cinturão de chapadas oposto ao mar que deu início à formação do complexo caldeamento de índios, mamelucos, africanos, ciganos, holandeses, judeus, franceses, portugueses, espanhóis e sírio-libaneses, que geraram vaqueiros, beatos, jangadeiros, jagunços, cangaceiros, mascates e empreendedores cearenses.

Gente de poesia, aberta à amizade, às oportunidades e novidades, com afeição telúrica e espírito cosmopolita, versátil em sobrevivência, mas imprevidente, sem hábito de poupança e sem apego à tradição ou ao interesse no longo prazo. Parsifal Barroso provoca o leitor a refletir sobre o quanto tem sido desvantajoso para o cearense estar sempre em busca de segurança e libertação, seguindo o duplo destino do Ceará Migrante e o Ceará Moleque.

 

Atualizações mais recentes

PARTITURAEM PDF Canção de...
PARTITURAEM PDF Não sei nada...
PARTITURAEM PDF Iracema...
PARTITURAEM PDF Igualdade...
 
 

Não sendo para fins comerciais, políticos ou religiosos (*), todo o conteúdo deste portal pode ser compartilhado, copiado e distribuído, desde que citado o crédito autoral e a fonte.

(*) Para (a) uso comercial, político ou religioso, (b) alteração de original ou (c) produção de obra derivada, solicitar autorização: pluralcultura@fortalnet.com.br

 
 

2011 - produzido por pirambu digital