Flavio Paiva

Deu vontade de colocar a pedra-de-peixe no aquário. Curiosidade ornamental. Fotografei. Da imagem do fóssil caririense foram surgindo representações zodiacais e divinais pelos vestígios arquetípicos do meu infinito interior, como um sýmbolon religando sensibilidades ubíquas e atemporais: um mesmo peixe dividido em duas bandas passíveis de se complementarem exatamente. Assim, de um lado vivendo e de outro gerindo a vida, vou me reconhecendo entre o que penso e o que faço, entre o que sou e o que compartilho nesse incitante processo não-linear e sem finalização que é a vida. Eis a minha senha. Pode entrar.

 
 
 

Agenda

Sem agenda pública no momento.
Ver Mais

100 anos de Saciologia (Jornal O POVO, Vida & Arte, 27/09/2017)

100 anos de Saciologia
Artigo publicado no Jornal O POVO, Caderno Vida & Arte, pág.4
Quarta-feira, 27 de setembro de 2017 - Fortaleza, Ceará, Brasil

Artigo em PDF

FAC-SÍMILE

op_100-anos-de-saciologia_m

O Saci já assobiava no imaginário do Brasil tupi-guarani quando os colonizadores chegaram ao País há mais de cinco séculos. Çaa Cy significa “olho que assusta” e Pérérég quer dizer “saltitante”. Era assim que o povo indígena fazia referência ao canto agourento das aves noturnas. Muitos dos seres fantásticos da natureza nascem assim. Monteiro Lobato (1882 – 1948) dizia que o medo é o pai da bicharada. E foi ele quem há cem anos inventou a SACIologia.

Lobato vivia incomodado com o deslumbre das elites brasileiras diante de tudo que chegava de fora. Via a industrialização da São Paulo dos barões do café atraindo mão de obra da zona rural, mas, ao mesmo tempo, desprezando a cultura do interior. Havia uma contradição entre essa negação e o desejo de valorização do produto nacional.

Já percebendo que a sustentabilidade do crescimento econômico passa pelo fortalecimento da cultura, Monteiro Lobato decidiu fazer uma pesquisa sobre o Saci, até então apenas um ente folclórico, cuja figura variava de região para região conforme o grau de medo inspirado pela natureza noturna de cada lugar e a intensidade dos conceitos ideológicos dominantes. Fez isso em 1917, com apoio do Estadinho, como era chamada a edição vespertina do jornal O Estado de São Paulo.

A iniciativa de Lobato visava, inclusive, criar as condições para que o Saci pudesse circular pelos cursos do Liceu de Artes e Ofícios, onde só era permitido entrar os faunos, gnomos e sátiros das culturas europeias. Para ele, o saci no liceu seria como introduzir maxixe em coreografia e moqueca em culinária. Chamou essa sondagem de “inquérito”, no sentido de apuração dos fatos.

O motivo para a tomada do caminho da auscultação pública era evitar que apenas os eruditos, os folcloristas e os profissionais das letras tomassem conta do assunto. Com o “inquérito”, muitos se manifestariam, os estilos variariam e se ampliaria o inusitado da “Mitologia Brasílica”. A obtenção das respostas foi provocada por um questionário acessível, no qual o jornal solicitava “depoimento honesto” a respeito dos seguintes pontos:

1º) Como você recebeu essa crendice na sua infância, de quem a recebeu e que papel ela representou na sua vida?

2º) Qual a forma atual dessa crendice na zona em que você mora?

3º) Que histórias e casos interessantes você vivenciou ou escutou a respeito do Saci?

Choveram relatos espontâneos e diversificados, saídos de dentro do imaginário de cada participante. Tem até um cearense contando que no Nordeste o Saci é conhecido como Caipora e que ouviu de antigos escravos a história de que essa criatura “tem uma banda só”. Desde que li esse depoimento passei a pensar na perna invisível do Saci como uma influência do Ossain, orixá que em rituais afro cuida das plantas sagradas e medicinais, tem filhos travessos e é representado como um ser das metades.

A inquietação de Monteiro Lobato não o deixou parar no apanhado das visões colhidas na pesquisa sobre o Saci Pererê. Ele fez também um concurso de ilustrações inspirado no conteúdo mítico revelado. Juntou tudo, editou e fez uma publicação com o título O Sacy-Pererê – Resultado de um Inquérito (1918). Com base nesse material, escreveu o livro O Saci (1921), obra que delineou os traços essenciais do mais importante personagem da cultura popular brasileira.

 

Atualizações mais recentes

Fortaleza das criançasArtigo publicado no Jornal O...
Parabéns, Violeta Parra!Artigo publicado no Jornal O...
100 anos de SaciologiaArtigo publicado no Jornal O...
A infância livre de consumismoArtigo publicado no...
 
 

Não sendo para fins comerciais, políticos ou religiosos (*), todo o conteúdo deste portal pode ser compartilhado, copiado e distribuído, desde que citado o crédito autoral e a fonte.

(*) Para (a) uso comercial, político ou religioso, (b) alteração de original ou (c) produção de obra derivada, solicitar autorização: pluralcultura@fortalnet.com.br

 
 

2011 - produzido por pirambu digital