Flavio Paiva

Deu vontade de colocar a pedra-de-peixe no aquário. Curiosidade ornamental. Fotografei. Da imagem do fóssil caririense foram surgindo representações zodiacais e divinais pelos vestígios arquetípicos do meu infinito interior, como um sýmbolon religando sensibilidades ubíquas e atemporais: um mesmo peixe dividido em duas bandas passíveis de se complementarem exatamente. Assim, de um lado vivendo e de outro gerindo a vida, vou me reconhecendo entre o que penso e o que faço, entre o que sou e o que compartilho nesse incitante processo não-linear e sem finalização que é a vida. Eis a minha senha. Pode entrar.

 
 
 

Agenda

Sem agenda pública no momento.
Ver Mais

Arte, política e contra-ambiente (Jornal O POVO, Vida & Arte, 30/11/2017)

Arte, política e contra-ambiente
Artigo publicado no Jornal O POVO, Caderno Vida & Arte, pág.4
Quarta-feira, 29 de novembro de 2017 - Fortaleza, Ceará, Brasil


FAC-SÍMILE

op_arte-politica-e-contra-ambiente_p.jpg

O estado de fatalidade que desgoverna o Brasil tem paradoxalmente parte de sua estabilidade no frenesi da negação. A reatividade insistente envernizou o processo, e acusações de censura, preconceito e sequestro têm servido mais de despiste para mudança de atenção de grandes e perversas tramas do que para promover alteração na tortuosa rota a que o País está submetido.

Já calejadas, as expressões de ordem vão sedimentando obediência, eliminando singularidades, isolando partes, tirando a dinâmica da interdependência e fragilizando complementaridades sociais. Em certos casos o uso corriqueiro de posicionamentos contrários ao que violenta o País parece mais afirmação de afinidades entre pares do que protesto político de fato.

Dificilmente essa situação será alterada se a sociedade não tratar de inventar contra-ambientes onde possam florescer suas crenças e atos vitalizantes. Aos artistas, intelectuais, empreendedores, políticos e cidadãos em geral, não comprometidos com o que está aí, cabe a reversão desse quadro de dependência da exaltação do que não presta. Depois de ler A arte contemporânea e o pensamento da diferença (Blade, Salvador, 2013), livro organizado pela artista visual gaúcha Lanussi Pasquali, com textos da historiadora paulista Cristina Pescuma e de artistas baianos, passei a pensar no tanto que a ausência de valorização da arte não manipulada tem causado passividade ou negação do diferente.

A grande provocação que tiro dessa obra é a de como uma sociedade encurralada pode encontrar saídas sem cair nas insuficientes tentações de apenas condenar e resistir. A cultura predominante procura inibir a arte e tudo o que é diferente e que ameaçar o senso comum, por impelir as pessoas a pensarem, a sentirem e a escaparem das repetições cotidianas.

A eleição da arte como espaço de intensidades, imanências e poder de coesão faz sentido à medida que o fazer artístico nasce de uma vontade poderosa, de uma existência transbordante, por isso é capaz de evocar sentimentos, percepções e pensamentos fora da caixa onde os poderes guardam suas fórmulas de ver o mundo por meio de polaridades redutoras.

O engajamento centrado na reação dificulta o deslocamento da rebeldia para as zonas de controle. Com a arte neutralizada, exacerbam-se as vontades estimuladas por ressentimentos e isso despotencializa as pessoas, promove a passividade ou atitudes reativas quase sempre voltadas à negação do diferente, reforçando, assim, o controle dos poderes dominantes.

Resta a quem acredita no Brasil encarar a realidade a partir de suas forças criadoras e não agir em conformidade com o agendamento produzido pelos interesses dos que grilaram a institucionalidade. A migração das ideologias para os desejos do consumo e para o mercado da fé tolhe anseios transformadores.

Todo fascismo é temente à arte e ao seu poder de criar possibilidades, de contribuir para a libertação do entorpecimento da cidadania. O artista não cooptado é perigoso por ser um facilitador para que tempos diversos se comuniquem e gerem novos sentidos. O desafio da arte é ser uma expressão do real normalmente abafado por uma empobrecedora padronização cultural. O sentido da diferença nessa obra, que não trata somente de arte contemporânea, é a catalisação de campos de força geradores de uma contra-ambiência criadora.

 

Atualizações mais recentes

PARTITURAEM PDF Canção de...
PARTITURAEM PDF Não sei nada...
PARTITURAEM PDF Iracema...
PARTITURAEM PDF Igualdade...
 
 

Não sendo para fins comerciais, políticos ou religiosos (*), todo o conteúdo deste portal pode ser compartilhado, copiado e distribuído, desde que citado o crédito autoral e a fonte.

(*) Para (a) uso comercial, político ou religioso, (b) alteração de original ou (c) produção de obra derivada, solicitar autorização: pluralcultura@fortalnet.com.br

 
 

2011 - produzido por pirambu digital